Escolha uma Página

Quando se fala em coaching, algo que aprendi com meus mentores é integridade. Para isso, quero falar hoje de uma pesquisa científica realizada pela Unidade de Pesquisa Cardíaca da Universidade de Melbourne, Austrália. Esse grupo de pesquisadores testaram a eficácia do coaching para atenção de fatores de risco para doença cardiovascular. Esse foi um estudo multicêntrico realizado em 6 centros de pesquisa especializados em pacientes cardíacos diferentes, sendo incluídos 792 pacientes, divididos em dois grupos distintos. Um grupo que recebeu o coaching composto de 398 pacientes e um outro grupo sem coaching, que receberam os cuidados usuais (394 pacientes), durante 24 semanas.

O processo de coaching tinha como objetivo reduzir 7 fatores de risco para doença cardiovascular: colesterol, tabagismo, pressão arterial, nível de glicose, peso corporal, ingestão de gordura saturada e atividade física.

Os resultados foram todos satisfatórios. Os pacientes apresentaram com coaching menor colesterol total, maior redução do colesterol ruim, maior redução do peso corporal, menor ingestão de gordura saturada, redução dos níveis de depressão e ansiedade, e finalmente a grande surpresa do estudo melhora da atividade física com menor índice de percepção de esforço e de dispnéia (falta de ar), ou seja, os pacientes que realizaram coaching apresentaram uma qualidade de vida muito melhor do que aqueles que não fizeram o coaching.

Logo, os autores concluíram que fazer coaching para pacientes cardiovasculares é uma estratégia eficaz com grandes benefícios para essa população.

Fonte: Arch Intern Med 2003;163:2775-2783.